Histórico

Localização: BVRS > Histórico

Histórico

A Biblioteca Virtual do Rio Grande do Sul (BVRS) foi criada em 2001 com o objetivo de democratizar o acesso às informações armazenadas nas bibliotecas das instituições estaduais e de promover maior intercâmbio de informações através da Internet.

Em sua primeira fase, foi desenvolvida como um projeto-piloto coordenado pela  Fundação de Economia e Estatística (FEE), com auxílio financeiro da Fundação de Amparo à Pesquisa do Rio Grande do Sul (FAPERGS), através do Projeto intitulado “Definição e implantação do site Biblioteca Virtual do Estado do Rio Grande do Sul” (Edital 08/2000 – FAPERGS – Porto Alegre, Agosto de 2000), abrangendo as bibliotecas da Associação Riograndense de Empreendimento de Assistência Técnica e Extensão Rural (Emater-RS), Fundação de Ciência e Tecnologia (Cientec) e Instituto Riograndense do Arroz (IRGA). A equipe era composta pelas seguintes Bibliotecárias: Tânia Leopoldina Angst (FEE) (Coordenadora), Ivete Lopes Figueiró (FEE), Kristine Victoria Dillan (Cientec), Nelia Elsa Pooch (Cientec), Mariléa Fabião Borralho (Emater-RS), Luz Magali de Andrade Godoy (Emater-RS), Tânia Maria Dias Nahra (IRGA) e Lecy Terezinha Nickel (IRGA).

A BVRS foi disponibilizada na Internet no dia 5 de outubro de 2001 e, ao final desse mês, já contabilizava aproximadamente 5.000 acessos.

Em dezembro do mesmo ano, a Biblioteca Pública do Estado (BPE) passou a integrar a BVRS juntamente com algumas bibliotecas municipais pertencentes ao Sistema Estadual de Bibliotecas Públicas (SEBP): Alegrete, Alvorada, Cachoeirinha, Nova Petrópolis, Sapucaia do Sul, Gravataí, São José do Norte e as de Porto Alegre (Leopoldo Boeck, Ligia Meurer, Erico Verissimo e  Romano Reif).

No período de 2002 até 2011, várias instituições aderiram à BVRS, disponibilizando a consulta aos seus catálogos. Entre as que ingressaram, algumas se desligaram, isto é, deixaram de participar, pois foram desativadas e não contavam com bibliotecário(a) como responsável técnico.

A biblioteca da Fundação de Ciência e Tecnologia (Cientec), desde 2012, não atualiza o seu catálogo na BVRS e não dispõe de bibliotecário responsável.

As bibliotecas da Agência Estadual de Regulação dos Serviços Públicos Delegados do Rio Grande do Sul (Agergs) e da Secretaria do Desenvolvimento e dos Assuntos Internacionais (Sedai) também deixaram de enviar atualizações, pois essas bibliotecas foram desativadas.

No mesmo período, outras instituições passaram a integrar a BVRS e permanecem até hoje. São elas:

  • Secretaria da Fazenda (Sefaz) a partir de abril de 2006;
  • Fundação para o Desenvolvimento de Recursos Humanos (FDRH) a partir de outubro de 2005;
  • Companhia Riograndense de Saneamento (Corsan) a partir de dezembro de 2004;
  • Fundação Estadual de Proteção Ambiental Henrique Luis Roessler (Fepam) a partir de setembro de 2004;
  • Secretaria de Modernização Administrativa e dos Recursos Humanos (SMARH) a partir de setembro de 2004.

Entre 2001 e 2008, o Núcleo de Documentação da FEE, através de acordos e convênios de cooperação técnica, organizou o acervo, informatizou os catálogos e ministrou treinamento para o pessoal das bibliotecas participantes. Assim, a FEE prestou orientação e ficou responsável pelas seguintes instituições:

  • Agência Estadual de Regulação dos Serviços Públicos Delegados do Rio Grande do Sul (Agergs). Disponível na BVRS no período de janeiro de 2008 até dezembro de 2011;
  • Secretaria da Coordenação e Planejamento (SCP). Disponível na BVRS no período de dezembro de 2002 até outubro de 2008;
  • Fundação Estadual de Proteção Ambiental Henrique Luis Roessler (Fepam). Disponível na BVRS a partir de setembro de 2004;
  • Secretaria do Desenvolvimento e dos Assuntos Internacionais (Sedai). Disponível no período de dezembro de 2002 até novembro de 2005.

A BVRS  priorizava a consulta aos catálogos das instituições participantes em um único local, sendo que a recuperação ocorria de forma rápida e apresentava a quantidade de documentos que cada instituição possuía, proporcionando ao internauta a possibilidade de selecionar as referências dos documentos das instituições que fossem de interesse. O Formato MARC foi definido como padrão para as bases bibliográficas, possibilitando, assim, a interoperabilidade. No período de outubro de 2001 até novembro de 2014, a BVRS apresentou uma média de 12.000 acessos por mês.

Tela de busca da BVRS

Tela de busca da BVRS

Em 2014,  a biblioteca da Secretaria do Planejamento e Desenvolvimento Regional (Seplan) foi organizada novamente e voltou a integrar a BVRS. Porém, sem continuidade no convênio e sem bibliotecário para supervisionar, deixou de participar da BVRS. Da mesma forma, a SMARH, que em 2015 teve a Biblioteca desativada e também não participa mais.

Ainda no ano de 2014, outras instituições ingressaram na BVRS e integram o grupo atualmente:

  • Centro Estadual de Vigilância em Saúde (CEVS);
  • Companhia de Processamento de Dados do Estado do Rio Grande do Sul (PROCERGS);
  • Fundação Estadual de Pesquisa Agropecuária (FEPAGRO).

Tendo em vista os avanços tecnológicos, o layout da BVRS foi atualizado, e o conteúdo disponível, ampliado. Foram incluídas Fontes Eletrônicas de Informação (FEIs) e Bases de Dados utilizadas e validadas pelas bibliotecas participantes. Como a Internet possui uma grande quantidade de informações, uma das preocupações da BVRS é proporcionar às instituições do Governo do Estado do Rio Grande do Sul e à sociedade em geral fontes de informações confiáveis e de qualidade.

Notícias

FEE lança Atlas para a comunidade escolar: cartografia com informações completas do RS

No próximo dia 06 de junho, a Fundação de Economia e Estatística lança um produto inédito no país direcionado a estudantes e professores. É o Atlas FEE, uma síntese de informações relativas ao Rio Grande do Sul baseada nos principais indicadores utilizados nas pesquisas da FEE, quer sejam produzidos por ela, quer por outras instituições, traduzidos para a linguagem escolar e utilizando a cartografia como principal recurso didático. O material disponível online (atlas.fee.tche.br) permite difundir um maior conhecimento sobre o RS em seus aspectos físicos, como a hidrografia e o clima; político-institucionais (delimitação dos municípios e suas múltiplas regionalizações); econômicos (com destaque para o PIB e o PIB per capita); sociodemográficos (expectativa de vida, urbanização, escolarização, entre outros); e ambientais. Clique AQUI para saber mais.